Manteiga de Amendoim (FIT) Caseira

A pedido (muito insistente!) do namorado lá experimentei fazer manteiga de amendoim. Ambos adoramos, mas a que se compra no super não é lá muito saudável e eu achava que era chato de se fazer. Mito. Puro mito. É a coisa mais simples de sempre e parecendo que não evitamos comer as industrializadas que contém açucares e óleos.

Para além de ser recomendado o consumo de frutos secos, sem ser em excesso claro, esta é uma forma saudável e muito versátil de o fazer. Ora vejamos os benefícios dos amendoins:

  • Por ser um alimento rico em gorduras boas e calórico, o amendoim sacia -nos muito eficazmente.
  • O amendoim contém fibras que também ajudam a saciar e promovem o bom funcionamento do intestino.
  • Ajuda na construção muscular, porque contém uma quantidade razoável de proteína.
  • Protege o sistema nervoso, porque contém vitamina B3.
  • é rico em antioxidantes. Tem quase tantos como os frutos vermelhos. Se os torrarmos ainda se tornam mais eficazes.
  • tem gorduras boas (ómega 6 principalemte)
  • evita as caimbras, pois é rico em potássio

Muitas coisas boas portanto. A quantidade diária recomendada é de 15 a 30 gramas, ou seja uma ou duas colheres de sopa. Cá vai receita:

Ingredientes para 1 frasco:

  • 250 gramas de amendoim cru descascado e pelado (vende-se no continente e custa 2 euros)
  • sal q.b.
  • óleo de coco (opcional)

 

  1. Torrar os amendoins. Para esta quantidade podem torrar no microondas. Coloca-se os amendoins num prato fundo largo e leva-se uma primeira vez ao microondas a 2 minutos. No fim desse tempo mexe-se e volta-se a colocar mais 2-3 minutos (ou até notarem que ganharam uma cor e largaram uma espécie de gordura.
  2. Coloca-se os amendoins já torrados num processador de alimentos temperando-os com uma pitada de sal e tritura-se até formar uma pasta. Eu usei a Yammi, na velocidade 7, uns 3 minutos, mas vão vendo a textura.

Nota: Eu fiz sem o óleo de coco, mas se gostarem de uma pasta mais cremosa podem acrescentar. O facto de fazer com os amendoins torrados parece-me essencial já que sem esse passo a probabilidade de não obter uma boa pasta é maior. Podem experimentar com o amendoim torrado de compra, mas acho que o facto de ser torrado na hora lhe dá mais oleosidade.

Depois é só enfrascar e já está! Até me sinto mal de nunca me ter dado para fazer isto antes 😛

Perdoem-me o frasco da fotografia já não estar cheio, mas acontece que entretanto já “alguém” o assaltou 😉

 

Exercício sem desculpas e…sem gastos!

Às vezes o mais óbvio é o que nos passa completamente ao lado. Exercício em casa é uma coisa que sempre fiz e que no entanto nunca me lembrei de escrever sobre ela.

Fazer exercício em casa é uma óptima opção para quem não quer ter gastos, para quem não dispõe de muito tempo ou mesmo para quem está apenas interessado em manter o peso e a forma. Na verdade, todos nós devíamos praticar exercício, nem que sejam uns míseros 10 minutos por dia. Acreditem que começando a ter uma prática regular dificilmente se consegue parar. Já se sabe que o exercício, praticado de forma adequada, só traz benefícios, tanto para a mente como para a saúde e físico. Claro que se o aliarmos a uma alimentação saudável é que faz mesmo maravilhas.

Pessoalmente, comecei a fazer exercício em casa de forma regular há uns 4 anos. Comecei porque ainda estudava e não tinha ganhos fixos para pagar um ginásio, depois acabei por meu habituar de tal forma que se tornou algo que adoro fazer sozinha e no meu canto. É quase um momento só meu. Chega a ser relaxante!

No entanto, não pensem que é só querer e pronto! Fazer exercício em casa só vale a pena se o fizermos corretamente, e convém ler sobre o assunto e perceber bem como se faz cada exercício. Comecei pelo mais básico: correr. É ótimo e faz bem a uma data de coisas, já para não falar que é grátis e que não precisa de qualquer equipamento (umas calças e uma t-shirt vá!). Mesmo que não tenham muita resistência, podem sempre começar por dar umas boas caminhadas e depois vão correndo um bocadinho mais cada dia. O resto aprendi com o tempo: a ver vídeos, ler artigos e livros, a trocar ideias com amigas e a tirar notas do pessoal que ia para o ginásio.

Bem, mas vamos ao que interessa. A ideia deste post é dar as ferramentas básicas para se começar a fazer exercício em casa passando pela roupa, materiais e também aplicações para dispositivos móveis. E o melhor: são tudo ideias pouco dispendiosas!

 

A roupa

Estes são os básicos dos básicos para quem quer começar. Não é preciso mais do que isto e, para mim, importante é estar confortável. Ora vejamos:

 

 

1 – camisola de alças: muito leve. Facilita os movimentos e transpiração. Esta é a da Decathlon (domyos) a 3,99 euros.

2 – corsários: leves e respiráveis, mas menos indicados para correr em trilhos com terra ou vegetação, pois não protege a perna das eventuais picadas. Da Decathlon (domyos) a 9,99 euros

3 – Leggings: confortáveis e boas para qualquer prática desportiva. Da Decathlon (domyos) a 3,99 euros.

4 – top para atividades de grande impacto: ideal para passadeira, steps, trampolim… é regulável e faz o efeito de segunda pele. Da Decathlon (domyos) a 19,99 euros

5 – top para atividades de impacto reduzido: ideal para yoga, alongamentos, pilates…elimina a transpiração, mas não tem alças reguláveis. Da Decathlon (domyos) a 4,99 euros

6 – casaco sem capuz: é importante ter sempre um destes no armário, para que nem o frio nos pare! Da Decathlon (domyos) a 14,99 euros

7  – Ténis de corrida: bom, aqui deve ser onde devem investir um bocadinho mais se puderem, pois o desgaste é muito. Estes não são nada maus para o preço e são bons para começar. Da Decathlon (kalenji) a 29,99 euros.

8 – Ténis para atividades de baixo impacto: ultraleves e arejados. Ideais para práticas de fitness. Da Decathlon (domyos) a 29,99 euros.

9 – bolsa armband para smartphones: coisa mais útil desta vida.Éútil ter o telemovel por perto e além disso exercício e música combinam lindamente. Esta marca especificamente até tem duas mini bolsas atrás que servem para por (por exemplo) as chaves, moedas, lenços…Indispensável. Da marca Goodis (comprei na Worten) a 14,99 euros.

 

Material

É opcional, mas a verdade é que torna o treino mais interessante. Nas máquinas nem falo e para investir numa máquina decente é preferível investir no ginásio. Mesmo em termos de material a diversidade é muita. Vou mostrar apenas os que, para mim, são os básicos e que mais uso.

 

1 – bola de pilates média – usada em vários exercicios (não só pilates) e extremamente versátil. Usada muitas vezes para ajudar a manter uma postura correta durante os exercícios.  Da decathlon (domyos) 3,99 euros.

2 – step de leve impacto: apoio em muitos exercícios e uma grande ajuda na tonificação muscular. Da Decathlon (domyos) a 19,99 euros.

3 – corda de saltar: nem é preciso dizer nada, é dos melhores exercícios para perder calorias. Da Decathlon (domyos) 1,99 euros.

4 – tapete: muito útil. Confere uma superfície adaptada aos movimentos. Da Decathlon (domyos) a 7,99 euros.

5 – halteres em PVC: é daquelas coisas que dá sempre jeito para fortalecer os musculos. Da Decathlon (domyos) desde 4,99 euros o par.

 

Aplicações Android

São úteis e há para todos os tipos e feitios de exercício. As que mais gosto são:

Runtastic

Run-runtastic

É uma aplicação virada para a corrida. Faz o acompanhamento total da nossa evolução com estatísticas, gráficos e agendas de treino. Tem treino por voz e mapeamento GPS. Mede distâncias, calorias, tempo e elevações de terreno. No fundo, é um acompanhamento completo, tanto para corrida como caminhada.

Treinos diários FREE

Aplicação muito simples que permite escolher 6 categorias de treino: abdominais, braços, glúteos, cardio, pernas ou treino completo.Permite escolher o tempo de treino desde 5 a 30 minutos e as repetições. Cada treino tem 30 segundos e é acompanhado de imagens explicativas.

 

30 Day Fit Challenges Workout

Esta aplicação permite um ótimo controlo da nossa forma física de uma forma bastante criativa. A teoria é a de que 30 dias é o tempo que leva a ganhar ou perder um hábito, por isso a aplicação lança-nos o desafio de tentar cumprir estes exercícios por um mês. Cada categoria tem 6 níveis e cada nível tem um calendário de 30 dias com desafios para cumprir. À medida que os cumprimos, desbloqueamos o dia seguinte. É muito simples, mas acaba por nos levar a querer melhorar sempre mais e consequentemente a criar um hábito.

Espero que estas dicas ajudem e que quem ainda não tirou 10 minutinhos do dia para dedicar ao exercício fique convencido a experimentar 🙂

Depilação a Laser – Centros Único

Primeiro, desculpem a ausência mas a minha vida tem andado meio complicada. Segundo, um post sobre beleza para variar!

Depilação a laser, uma coisa que queria fazer há anos mas não tinha meios. Este mês decidi-me e lá fui eu. Sou um bocadinho paranóica com pêlos, faço a depilação todo o ano e de verão então é que não me pode escapar um (sim ando com uma pinça e gilete na mala). Já conhecia várias pessoas que tinham feito, mas tinha medo dos resultados e de escolher mal o sítio onde fazer. Depois de muito procurar uma amiga mostrou-me os Centros Único e as maravilhosas promoções que eles fazem. Confiei mais por essa pessoa já lá ter feito e estar perfeito e por conhecer quem lá tivesse trabalhado. Mais convencida fiquei por saber que usavam laser diodo (também chamado Lightsheer), um tipo de laser que doí bastante menos e que promete bons resultados após 5-8 sessões máximo. O laser alexandrite é mais doloroso e a luz pulsada menos eficaz.

Os benefícios da depilação a laser:

  1. é quase definitiva. Quase porque depende dos casos. Algumas pessoas precisam de uma manutenção de ano a ano e outras nem precisam de nada. Mesmo assim, se sobrarem pêlos são muito poucos e fininhos.
  2. não deixa marcas nos poros como a máquina ou a cera.
  3. elimina facilmente os pêlos encravados resolvendo o problema de vez.
  4. pode ser feita em qualquer zona do corpo

As desvantagens:

  1. é cara
  2. só podem ser feita em sítios específicos
  3. é um processo longo

Escolhi fazer a depilação em 3 zonas: axilas, pernas inteiras e virilha completa. A primeira sessão já lá vai e posso resumir-vos os pontos mais importantes:

  • antes da sessão há uma espécie de “consulta”, o que eles chamam prova. Serve para determinar o nosso fototipo e a força do laser que vão usar em nós, bem como a sensibilidade da nossa pele. Para terem uma noção, quanto maior o contraste entre o pêlo e a pele, melhores resultados.
  • não doí quase nada. Sente-se uma ligeira picada e há zonas onde nem se sente nada. O pior é as virilhas e o meio da axila.
  • a acrescentar ao preço das sessões têm os óculos e o creme pós-laser (importante porque tem protecção solar), 30 euros.
  • para a prova vão com o pêlo do tamanho que elas vos mandarem, vale a pena referirem quando se depilaram e com que método
  • para a sessão devem ir completamente depiladas a gilete. Se o vosso pelo não cresce muito façam com dois dias de antecedência, mas podem fazer no dia anterior. O método aconselhado é com a espuma do gel de banho. Nunca a seco e nada de cremes depilatórios que são muito agressivos para a pele.
  • Muita hidratação antes da sessão, uma semana pelo menos. O creme deles convém ser pelo menos 3 dias antes da sessão e os resto da semana se quiserem podem usar um creme normal mas sem álcool. o mesmo para o desodorizante.
  • Informem a profissional se tiverem uma tatuagem. Elas não passam o laser por cima dela para não haver risco de a apagarem.
  • em relação ao tempo que demoro, estas 3 zonas demoraram uma hora e meia.
  • convém sempre marcarem presencialmente e eles costumam ter promoções todos os meses.
  • não apanhem sol  uma semana antes nem uma depois.
  • as sessões têm intervalos de 3 meses, durante os quais não se pode fazer a depilação a cera ou máquina, pois não se pode remover a raiz do pêlo, uma vez que o laser precisa dela para eliminar os folículos dos pêlos.

Bem, só fiz uma sessão mas até agora estou satisfeita. Óbvio que não estou à espera de ver já resultados, mas já me disseram que mesmo assim se nota qualquer coisinha. De qualquer das maneiras já me meti nisto sabendo que é um processo demorado, não fui propriamente em busca de um “milagre”.

Espero ter ajudado quem, como eu, também não sabia muito disto e quem estava na dúvida. Se tiverem dúvidas podem sempre perguntar 🙂

Centros Único: www.centrosunico.pt

photo

Semifrio de Natas

Esta receita faz surgir toda uma nova categoria de receitas pecaminosas. Adoro semifrios de todos os tipos e feitios, mas este fiz especialmente para uma pessoa que adora semifrio de natas. Foi a primeira vez que o fiz mas acho que acertei com a receita à primeira, pois fez sucesso, na festa todos o adoraram!

Já há muito tempo que não me aventurava em receitas “não-fit”, mas este mês é especialmente festivo na minha família, porque, por obra do destino, uma grande parte dela resolveu nascer em Abril (e Maio). Como tal, nestas festas gosto sempre de contribuir com alguma coisa e surgem sempre uns quantos pedidos especiais 🙂

Bem, mas vamos ao que interessa, fiquem com a receita e experimentem no vosso dia livre da semana que não se arrependem!

Ingredientes para 1 semifrio:

  • 1 pacote de bolacha maria (ou outra se preferirem)
  • 90 a 100 gr. de margarina (foi um bocado “a olho” desculpem)
  • 1 lata de leite condensado light
  • 600 ml de natas para bater
  • 6 folhas de gelatina
  • essência de baunilha (mais ao menos uma colher de café)
  1. Triturar a bolacha, juntar a margarina derretida e misturar tudo muito bem.
  2. Forrar o fundo de uma forma redonda de fundo amovível, calcando a mistura de bolacha até fica homogénea.
  3. Levar ao forno a 170-180 graus por 10 minutos ou até dourar e ficar consistente.
  4. Deixar arrefecer a base.
  5. Demolhar as folhas de gelatina em água fria.
  6. Bater bem as natas e envolver o leite condensado em fio e a baunilha.
  7. Escorrer as folhas de gelatina e juntar-lhes um pouco de água. Levar ao microondas por 30 segundos (cuidado para não queimar).
  8. Arrefecer a gelatina (podem usar o truque do banho maria com água fria) e verter em fio para o preparado mexendo sempre.
  9. Deitar na forma já fria e tapar com película aderente. Se for para o próprio dia convém fazer pelo menos com 8 horas de antecedência. Deixam algumas horas no congelador e um pouco antes de servir mudam para o frigorífico. Se for para o dia seguinte podem deixar no frigorífico.
  10. Desenformei e cobri com bolacha picada.

Dica: para quem não sabe como desenformar isto e não levar a base da forma atrás cá vai o meu truque que até hoje não me desiludiu e também funciona com outras coisas:

  1. cortem uma rodela de papel vegetal do tamanho da base da forma e coloquem no fundo já untado com manteiga (para colar)
  2. depois untem o papel vegetal com manteiga e só depois fazem a base com bolacha.
  3. Depois de tirarem do frigorífico o semifrio, mergulham uns segundos a forma em água fria (cuidado para não entrar água)
  4. passam uma faca à volta do semifrio e abrem a forma.
  5. forrado com película aderente em toda a superfície (para não haver perigo de colar), viram o semifrio “de cabeça para baixo” num prato.
  6. Tiram a base da forma, o papel vegetal e tornam a virar para o prato final.

Parece um truque muito complicado mas não é e funciona muito bem!

Este é de comer e chorar por mais!

IMG_20160430_185927.jpg

Cuidados com as Unhas – parte 2

Em continuação do post sobre as limas, vou escrever um pouco sobre os cuidados que ando a ter com as minhas unhas, pois como já referi são muito sensiveis e sempre tive dificuldade em que ficassem bonitas.

Não vou mentir. O gel deixou as minhas unhas um bocadinho miseráveis. Toda a gente sabe que este é o grande problema das unhas de gel e do gelinho: se já temos as unhas fracas, é natural que fiquem mais fracas ainda. Eu já sabia desse facto, mas também sabia que elas eram fracas de qualquer das formas. Mais valia apostar em acabar com a mania de as roer e as tentar recuperar, pois estavam muito estragadas e sem forma, coisa que o gel me ajudou a resolver porque as unhas acabam por lhe tomar a forma. Nada há a fazer com a unha que foi sendo desgastada com o gel e a broca, mas a que está a crescer está de óptima saúde e até me parece melhor do que era.

Assim sendo, tentei aconselhar-me o melhor possível para as recuperar da melhor forma e foi-me logo dito que há 3 coisas essenciais: uma boa lima, um bom verniz endurecedor e um bom removedor de verniz, de preferência sem acetona. Os primeiros tempos são quase de tratamento, uma vez que me aconselharam a mudar a base endurecedora de dois em dois dias e a ter sempre as unhas rasas para evitar partir.

Portanto, vou demonstrar que produtos estou a usar para este “tratamento” inicial e aproveito para dar a minha opinião sobre os produtos da Kiko, visto que de momento estou a usar tudo desta marca.

A lima

Já falei sobre este assunto no post anterior a este (aqui) e a lima que escolhi para começar foi a universal 240/240. É a ideal, pois é fácil de manejar e é boa para quem ainda tem restos de gel nas unhas. Para quem não sabe, é normal deixar-se uma fina camada de gel quando se decide deixar de fazer unhas de gel, para lhes dar uma espécie de sustento. O que interessa é a unha nova, que está a crescer, e não a antiga que tem gel, este só serve como protecção.

KM0050301900000principale_900Wx900H. Lima Universal 240/240 da Kiko: 2,50 euros

 

O verniz endurecedor

Neste campo pouco ou nada conhecia. A única coisa que tinha usado foi o verniz Casco de Cavalo que, sinceramente, comigo não resultou de todo. Uma vez que não gosto do aspeto das unhas sem estarem pintadas e que não quero voltar à mania de as roer, foi-me dito que não havia mal nenhum em pintar, bastava conjugar um verniz endurecedor que fosse também base, para proteger a unha do eventual verniz. Como não estava com muito tempo para pensar no assunto arrisquei também no verniz endurecedor da Kiko. Ainda só o estou a usar há semana e meia e já estou a notar resultados. Para além de notar as unhas mais saudáveis, é um verniz de efeito imediato: assim que aplicamos a unha fica com uma consistência mais rígida (óbvio que não podem esperar milagres…). Estou a pensar comprar um verniz com suplemento de cálcio (o da Andreia por exemplo), mas para verniz comprado à pressa estou muito contente!

KM0040200600033principale_900Wx900H.jpg

Verniz base endurecedor Kiko: 4,90 euros

 

Removedor de verniz sem acetona

Este sim, mudou a minha vida. Admito que pode ser mais caro, mas é muito melhor para as unhas e tem um cheiro bem mais agradável. É menos oleoso e possui outros ingredientes que nos ajudam bastante como o óleo de argão e de amêndoas, e vitamina A e E. A acetona pode causar alergias, enfraquece, seca e mancha a unha e no meu caso, que tenho de andar a tirar verniz de dois em dois dias, isto ia ser o pesadelo. Deste produto da Kiko gostei mesmo e acho que vale totalmente o preço. Este é para unhas sensiveis, mas têm disponíveis mais dois tipos de removedores, com características diferentes deste e adaptados a outras situações.

KM0040300600033principale_900Wx900H.jpg

Removedor de verniz delicado da Kiko: 3,90 euros

 

Conclusão: até agora estou a gostar de todos estes produtos da Kiko e acho que são todos óptimas compras, mas em especial o removedor de verniz. Acreditem, devemos investir neste tipo de cuidados, pois fazem uma enorme diferença e podem salvar-nos de uns valentes desgostos 🙂

Limas para as unhas – a confusão total

Antes de fazer unhas de gel pouco ou nada percebia de unhas e descobri que as tratava horrivelmente mal. Há seis meses que comecei a fazer unhas de gel (não gelinho, gel mesmo) para tentar recuperar as minhas unhas, pois pela mania de as roer e não as saber arranjar acabei por as estragar muito. Agora voltei às minhas unhas naturais e já sei (mais ao menos) tratar delas. Durante este tempo fui acumulando conhecimento para não voltar a cair nos mesmos erros. Para já o mais importante é a escolha dos produtos e limas para as arranjar. Neste primeiro post vou escrever sobre os diferentes tipos de limas e para que servem.

É simples: se escolhermos a lima errada podemos comprometer tanto o formato como a qualidade da unha em si. Basta ser a lima errada para nos lascar a unha e a deixar danificada. Podemos mesmo levar a que se parta quase da raiz, o que doí horrores e é esteticamente muito feio. Pior, se danificarmos a unha muito perto da cutícula podemos comprometer o seu crescimento.

Lima de metal – nunca!

São o pior tipo de lima que podemos usar, pois são muito mais propensas a criar alergias e são muito agressivas para a unha natural. Facilmente lascam e escamam a unha. Geralmente, são baratas e fáceis de encontrar, mas não devem de todo ser usadas, principalmente na unha natural.

7174185_1GG

 

Limas de cartão – diferentes gramagens

A questão mais importante sobre estas limas é o grão. Diferentes gramagens servem para diferentes tipos de unha. Estas limas são usadas tanto para unhas naturais como artificiais. Se comprarem estas limas em lojas próprias para o efeito reparem que vêm marcadas com uns números no canto: quanto mais baixo é esse numero, mais áspera é a lima. Para unhas naturais recomenda-se o grão acima de 180. Têm ainda à venda vários modelos destas limas que conjugam duas ou mais gramagens na mesma lima.

Lima de 80/100

Muito áspera e NUNCA deve ser usada em unhas naturais. Mesmo nas artificiais deve ser usada por uma profissional para não causar danos.

KM0050301600000principale_900Wx900H.jpg

Lima 80/100 da Kiko: 2,50 euros

 

Limas de 120 a 180

Ainda que bastante ásperas, podem ser usadas em unhas artificiais e de gel com alguma facilidade. Continuam a não ser recomendadas para unhas naturais.

kinetics-zebra-ziggy-120-180-long-life-file.jpg

 

Lima de 180

É a gramagem mais grossa que se pode usar em unhas naturais, mas não é recomendada para unhas quebradiças ou danificadas. Na minha opinião, devem saber usar bem esta lima para não danificar a unha e optar por ela somente se ainda tiver restos de gel (o meu caso neste momento).

KM0050301700000principale_900Wx900H

Lima 180/240 da Kiko: 2,50 euros

 

Lima de 240 a 280

É a gramagem ideal para unhas naturais . É frequentemente usada para polir as unhas e dar um bom acabamento. Eu também as uso para dar forma, pois a probabilidade de lascar a unha é muito menor.

KM0050301900000principale_900Wx900HKM0050301800000principale_900Wx900H

Lima Universal 240/240 e Lima Fine 240/280, ambas da Kiko: 2,50 euros cada

 

Bloco de polimento ou lima de 500

É uma gramagem muito suave. Só utilizada mesmo para polir a unha.

469_lixa_unha_cubo

 

Lima de vidro

Esta ainda é muito desconhecida e pouco usada, mas é também uma ótima opção tanto para unhas naturais como postiças. Pelo seu tipo de gramagem (fina e não porosa) é a melhor para as unhas sensíveis, porque permite um tratamento delicado e suave da unha sem a deixar lascar ou escamar. É também muito higiénica uma vez que é lavável sem perder as suas características e não é porosa, o que faz com que as impurezas não se instalem tão facilmente.

KM0050301500000principale_900Wx900H

Lima de Vidro da Kiko: 2,50 euros

 

Eu optei por mostrar as várias limas da kiko porque gosto bastante delas. Nos próximos posts sobre o assunto irei falar dos restantes cuidados que devemos ter com as unhas. Saber que lima usar é essencial. Espero ter ajudado 🙂

Doce de Morango Caseiro

Como já é de conhecimento geral, eu adoro e sou completamente fã de morangos! Sabendo deste facto, o meu pai decidiu trazer-me uma daquelas caixas lindas e maravilhosas com 2 kg de morangos! Escusado será dizer que metade será a minha sobremesa durante 2 dias, porque simplesmente não me farto. Já o que resta tem de ser aproveitado rapidamente, porque já vêm maduros.

Com metade do que me sobrou decidi fazer doce de morango, algo que muito aprecio, que dá para guardar e que tenho a certeza de que uso, seja em iogurtes, pão de microondas, crepes de aveia… Desde há uns meses para cá que me tinha deixado de aventuras com doces e compotas, porque acabam por dar algum trabalho, mas lembrei-me de experimentar a receita da yammi.

Devo dizer que a receita é um sucesso! Não me deu trabalho nenhum e ficou ótimo.

Ingredientes para dois frascos de doce:

  • 500 gr de morangos
  • 350 gr de açúcar
  • sumo de meio limão
  • um pau de canela (opcional e não consta na receita, mas aviso já que fica delicioso)
  1. Antes de mais, esterilizar os frascos para o doce. Sei que muita gente salta este passo, mas eu gosto de o fazer e a verdade é que os doces se conservam por mais tempo e o risco de haver bactérias é muito menor. Depois de bem lavados os frascos (mesmo se forem novos) basta coloca-los numa panela e encher com água até os cobrir (na fotografia já tinha retirado um pouco de água, caso contrário não se via nada). Depois deixa-se ferver por 10 minutos. Não custa nada e é muito mais higiénico. Neste caso os frascos foram usados para doce e podem ser preenchidos ainda quentes, mas se usarem para uma conserva fria devem deixar arrefecer para não haver choque térmico. Se possível não sequem os frascos com o pano da loiça mas sim com papel ou um pano limpo, pois o da loiça parecendo que não já tem impurezas.

IMG_20160424_121434

  1. Passando ao doce propriamente dito. Lavar e arranjar os morangos. Retirei o pé e cortei-os em quatro.
  2. Colocar os morangos no copo e juntar o açúcar, o sumo de limão e o pau de canela.
  3. Programar 30 minutos, na velocidade 1, temperatura máxima ST.
  4. Colocar sobre a tampa o cesto em vez do copo medidor para evitar salpicos.
  5. Quando o doce estiver pronto coloquem nos frascos, tapem e virem ao contrário até arrefecerem por completo (isto vai ajudar a que se conservem por mais tempo).

Tão simples e tão bom que chega a ser pecado! Agora tenho que descobrir no que vou usar as 400 gramas de morango que me sobram. Se tiverem sugestões não sou nada esquisita 🙂

IMG_20160424_122755